sexta-feira, 29 de junho de 2012

23 de Junho - Quebrantahuesos

O nosso amigo Ernesto participou na 22º edição da Quebrantahuesos.
Na partida em Sabiñánigo estavam preparados 9698 atletas para participarem na Quebrantahuesos com 202km e na Treparriscos com 82.7 km.
 
Ao fim de praticamente 6 horas de prova, começavam a chegar os primeiros atletas. Tinham passado por Marie Blanque e Portalet, ambos locais muito conhecidos do Tour de France.
Mas quem melhor para explicar a aventura que o Ernesto? Passo então a palavra ao aventureiro:

"Tudo começou na sexta feira às 5h da manhã,com o inicio da vaigem de 1.000kms até ao destino. Chegamos por volta das 18h para levantar dorsais. O ambiente é extraordinário, uma autentica cidade com tudo para acolher os ciclistas além de tendas de diversas marcas de equipamentos, acessórios, bicicletas e muita cerveja.
Chegados ao Hotel ainda fomos dar uma volta curta só para esticar as pernas. No dia seguinte a partida foi às 7.30h ( hora Espanhola ), nunca vi um ambiente assim. Cerca de 9.000 ciclistas e um misto de festa e nervosismo pelo que nos esperava nos 205kms de percurso. O inicio foi feito em Auto estrada cortada propositadamente para  a prova de forma a dispersar a malta toda. A primeira dificuldade surge perto do km 30, uma subida de 20kms até ao cimo do Puerto de Somport, não foi muito difícil porque estávamos frescos e a inclinação não é muito acentuada, é tipo Caramulo. Depois uma descida de 30kms fenomenal pela paisagem que só os Pirinéus nos conseguem dar. A seguir o mítico Col de Marie Blanc ( Contagem de 1ª no Tour de França) são 10kms em que nos últimos 4 a inclinação vai aos 12 e 13% só as centenas de pessoas que nos incentivam ao longo da estrada nos permitem chegar com boa cara. Chegamos ao topo com 110kms e mais uma descida belíssima mas mais curta. Por volta dos 120kms começa o que para mim é a parte mais espectacular do percurso: a subida do Puerto del Portalet. São 30 kms sempre a subir até aos 1.800mts de altitude, em cada km que fazia lembrava-me que naquele mesmo sitio passam os grandes nomes do ciclismo, é ali que aqueles que mais admiramos disputam e lutam de forma espectacular pela amarela. É uma subida de pura montanha com uma paisagem envolvente de cortar a respiração e sobretudo não consigo explicar a sensação de ouvir milhares de pessoas ao longo de estrada a incentivarem como se fossemos ciclistas. Chegados ao topo mais uma descida para encontrarmos a última grande dificuldade já com 175kms nas pernas, Hoz de Jaca. São apenas 3kms mas com inclinação superior a 10%. o Inferno para muita gente que não resiste a pôr o pé no chão. A partir dai é só gerir o esforço e gastar as últimas energias para completar a prova. Uma organização do melhor a todos os níveis, 130 médicos, 70 fisioterapeutas, 3 hospitais de campanha, 1 hospital móvel 12 ambulâncias, 40 carros de assistência mecânica, 45 motos,32 carrinhas, tudo o que quiséssemos nos reabastecimentos, muito bem sinalizado e à chegada bar aberto para todos os participantes, para além do lanche.
O que mais custou foi mesmo a viagem de regresso, mais 1.000kms  mas desta vez com um grande empeno nas pernas."

Agradecimentos ao Núcleo de Cicloturismo Roda Livre pelas fotos.

quinta-feira, 28 de junho de 2012

24 de Junho - 3ª Etapa do campeonato Up&Down - Termas S. Pedro doSul

O ponto de encontro era na sede do Anadiabikers, a oficina do nosso amigo Vítor.
Depois de nos organizarmos, era hora de partir. Pela informação no site do Up & Down, a prova iria ser bastante complicada. Tínhamos pela frente 83.8 kms, com uma altimetria de 2440 m.
Para além da dificuldade da prova em si, o sol parecia dizer que íamos ter mais uma dificuldade para ultrapassar...o calor.
O nosso amigo Custódio também veio até S. Pedro do Sul com a esposa para dar apoio e ânimo em mais uma prova.
Os quilómetros iniciais da prova foram feitos a um ritmo elevado embora sem grandes subidas para fazer.
Com o passar dos quilómetros foram aparecendo subidas cada vez mais difíceis, single-tracks e descidas algo técnicas.
Uma das subidas mais difíceis, tanto pela sua inclinação, como pelo calor com que tivemos de a fazer, foi até ao Pisão. Embora existissem muitos reforços líquidos ao longo do percurso e todos os elementos da organização (que estavam em pontos de passagem por estradas) nos disponibilizassem água, pensamos que teria sido boa ideia existirem mais pontos de água nesta subida. Valeu a boa vontade de alguns habitantes e também dos riachos que fomos atravessando.
O único reforço oficial era no Controlo e depois disso ainda tínhamos muito que subir até ao Bioparque, onde nos esperava um excelente reforço.
Até ao final da prova, foi necessário pedalar por alguns single-tracks e não podíamos deixar de referir a "parede" em alcatrão, já perto da meta.
Na chegada às Termas, havia um mini-circuito para fazer:
É importante referir os problemas que existiram com a marcação do percurso e que também causaram problemas aos nossos amigos Vicente, Paulo Neves, Hélder e José Luís. Segundo a informação que nos chegou, as marcações foram revistas por diversas vezes nos dias anteriores à prova. Ainda assim, é triste verificar que alguém se deu ao trabalho de, no dia da prova e mesmo durante, retirar fitas e placas do percurso e colocá-las na direcção errada. Isto fez com que muitos atletas se perdessem e acabassem por seguir por alcatrão até às Termas. Mesmo os que conseguiram voltar ao percurso certo, depois de andarem perdidos, tinham feito mais umas subidas, uns quilómetros e perdido posições na classificação...isto para não falar no cansaço. Talvez uma solução para este problema (que consideramos alheio à Organização), será a partida de uma moto antes de dar início à prova e assim verificar a marcação do percurso.
Apesar destes problemas a classificação desta etapa ficou assim definida:
  • 13º Geral e 3º Elites: Paulo Neves, com 4:52:23.
  • 21º Geral e 5º Elites: Hélder, com 5:19:46.
  • 24º Geral e 8º Vet. A: José Luís, com 5:29:00.
  • 25º Geral e 9º Vet. A: Vítor Santos, com 5:34:41.
  • 26º Geral e 10º Vet. A: Paulo Vermelho, com 5:34:53.
  • 27º Geral e 11º Vet. A: Vítor, com 5:34:56.
Depois do almoço, iniciámos o regresso e parámos nas Talhadas para repor os sais minerais:
"Este perfil?"
 "Ou este?"
A chegada à oficina também foi útil para repor energias e trocar impressões sobre a prova:
Para quem quiser ver o percurso pode clicar aqui ou fazer o download do trilho.

Obrigado à Carlita Aguieira pelas fotos.

sexta-feira, 22 de junho de 2012

17 de Junho - BTT Rota da Batata - Seixo de Mira

O António veio representar os Anadiabikers na Rota da Batata.
Já tudo pronto para a partida:
No início da prova, todos seguiam a grande velocidade:
E estão as desejadas fotos do percurso:
Se passarem as fotografias rapidamente quase dá para fazer um filme com o António:
Uma amostra da bela paisagem por onde o António ia passar:
No decorrer da prova a boa disposição estava presente:
 Em resumo,os parabéns aos EstoiraBikes pela excelente organização e pelo percurso. Existiram bons single-tracks e várias passagens por terrenos agrícolas. A população apoiou sempre os atletas à medida que estes passavam.Todos os elementos pertencentes à organização faziam com que os atletas se sentissem bem e com vontade de voltar para o ano.
A classificação ficou assim definida:
  • 90º geral: António, com 02:26:40.
No escalão Vet. B:
  • 16º lugar.
Parabéns António!


Se quiserem ver mais fotos, vejam no youtube.

Os nossos agradecimentos aos EstoiraBikes e ao Clube BTTribo pelas fotos.
  

17 de Junho - II BTT Rota da Mamoa

Parecia que o Sol nos ia acompanhar na prova...ainda bem, porque a lama não é muito amiga do material de BTT. Nesta prova iam participar o Paulo Neves, o Vítor e o Paulo.
Depois de chegar ao recinto onde seria dada a partida, fizemos o Controlo '0'.
Tal como noutras provas organizadas pelos Agarrados ao BTT, havia a possibilidade de fazer o aquecimento:
Perto da hora de partida, a paisagem estava composta:
 À hora combinada foi dada a partida. Tudo correu bem, apesar do trânsito para passar no pórtico e da curva apertada logo a seguir.
Durante os primeiros quilómetros o percurso seria mais rolante, apesar de alguns single-tracks. Ao nos aproximarmos do quilómetro 30, o percurso iria ficar um pouco mais técnico e com muitos single-tracks.
Mas como a malta quer é fotos, cá estão elas! Nos primeiros lugares seguia o Paulo Neves:

 Pouco depois seguiam o Vítor:
 e o Paulo:
 
Ainda durante a parte mais rolante, o Paulo Neves seguia no grupo dos primeiros:
 
Numa pequena passagem de água:
O Paulo Neves foi rápido demais e o fotógrafo não teve tempo de preparar a objectiva.

Pouco antes de um dos reabastecimentos líquidos, havia um mini-circuito! Que espectáculo! Antes de chegar ao reabastecimento havia que passar por um single-track onde o percurso era sobe e desce.
Depois havia o '8', embora não dê para perceber pela foto:
Primeiro passávamos por baixo da ponte onde iríamos passar depois de fazer a curva. Muito bom!
Na parte um pouco mais técnica, estes eram alguns exemplos do que havia para ultrapassar:
O Paulo Neves, sempre em velocidade:
O Vítor também não seguia muito mais devagar:
Uns lugares depois, seguia o Paulo:
A passagem pela "Mamoa":
Um dos pontos mais positivos no percurso era este aviso:
 Sempre que o víamos, toca a fazer câmbios de mudanças...que vem aí subida íngreme!
Uma das descidas perigosas, mas não para o Paulo Neves:
 O Vítor estava a tentar evitar o engarrafamento:
 o Paulo também teve de passar pelo congestionamento:
Numa secção menos sinuosa:
Numa pequena subida, estava o nosso amigo Afonso a tirar fotos:
Já perto do final, havia churrasco para quem quisesse parar:
 Cá vai o Paulo Neves:
 o Vítor:
 e o Paulo...apanhado em flagrante "delitro":
 Já perto da meta:
 
 Na chegada, estava tudo preparado para receber os atletas:
 e eis que chega o Paulo Neves:
Na chegada também fomos brindados com massagens! Nada melhor depois dos 50 km que tínhamos feito.
Ao longo do percurso, existiam um ou dois pontos onde só em cima do acontecimento é que víamos que direcção seguir. No entanto, no geral, a prova estava bem marcada e com elementos da organização nos cruzamentos.
A população também nos apoiava e aplaudia. O que é sempre bom para manter o ânimo dos atletas.
A classificação ficou assim definida:
  • 9º - Paulo Sergio da Silva Neves  com 02:06:32.
  • 69º - Vitor Gonçalves, com 02:31:42.
  • 78º- Paulo Vermelho, com 02:33:06.
Por escalões:.
  • Elites:
    • 2º lugar: Paulo Neves.
  • Vet. A:
    • 25º lugar: Vítor Gonçalves.
    • 31º lugar: Paulo.
Como o Paulo Neves chegou ao pódio, teve direito a entrega de troféu:

O fotógrafo estava a aplaudir, por isso a fotografia ficou tremida...não tem nada a ver com a pouca qualidade do fotógrafo...
 Aqui está o troféu mais perto:
 O António foi ter connosco depois de ter participado na Rota da Batata:

O nosso obrigado ao Afonso Estevão, aos CrashBTTeam, ao Paulo Gonçalves, ao Sérgio Marques e ao Pedro Valente pelas fotos.
E não podíamos deixar de desejar a continuação das melhoras ao nosso amigo Afonso.