sábado, 25 de maio de 2013

19 de Maio - Barragem da Aguieira.

Domingo! Dia de treino!
Hoje o destino seria a Barragem da Aguieira.
"Até já! Guarda umas cervezas para a chegada, sff!"
A primeira dificuldade para chegarmos à barragem, foi...rufar de tambores, fáxavôre!...quem respondeu "subida do Pisco!" acertou! Passem no café do Zé, para pagar uma rodada!
Depois da subida, o Vicente já estava a tomar vitaminas...seriam rebuçados azuis?
Depois de chegar a Mortágua, rapidamente se chega até à Barragem da Aguieira:
"Bem...o Gps diz para irmos em frente."
"Hmmm...então mas o treino não era até à Barragem?"
"Sim e não...o treino era até à barragem...só que o caminho de volta é por Tábua."
Lá fomos seguindo o trilho do gps e passámos pelo jardim da casa do Paulo, onde ele tinha mandado instalar uma piscina com uma ilha lá no meio:
"Oliveira do Hospital? Mau...mas onde é que eu ando?"
"O melhor é seguir o Gps..."
Sempre um pouco à frente da chuva:
"A casa é pequena...
...mas vejam o jardim!"
"Malta! Esperem por mim, que estou a tirar fotografias...!"
A caminho de Stª Comba Dão, numa das paragens estratégicas, o Paulo encontrou um ninho com uns ovos estranhos...de que espécie de pássaro seriam...
Mas, como temos de aproveitar o que a Natureza nos dá, não deixou ficar lá os ovos:
Depois de passar Santa Comba Dão, a chuva começou a cair mas não atrapalhou o Paulo, que estava prevenido!
Mais um bom treino...uma valente tareia mas ainda assim, um bom treino!
Até à próxima, bons treinos e boas pedaladas!

11 de Maio - Fátima!



Pouco passava das 6h30m, quando nos encontrámos em Anadia para a nossa peregrinação até Fátima.
Apesar de estar uma temperatura relativamente baixa, lá estávamos prontos a pedalar:
 
Mal passámos pela Mealhada e descobrimos o segredo do Paulo Pereira...os rebuçados de fruta.
O Pedro ao roubar a banana deixou cair um monte de rebuçados do jersey do Paulo.
 Nota: Obrigado, Pedro! Assim o Paulo não tomou vitaminas a mais e não fugia ao pelotão.
Para quem estiver interessado, são destes:
mas atenção...só os azuis e roxos é que têm "vitamina"...os outros só são rebuçados mesmo...
O Pedro também vende os direitos de autor para um acessório essencial para contra-relógio...não são capacetes aerodinâmicos ou quadros e rodas especiais...vejam se adivinham qual é:
 Para variar, chegámos a Coimbra sem dar conta, tal era a brincadeira...
 O sol ainda não tinha dado grande sinal e continuava assim enquanto atravessávamos o Mondego:
Daqui até sair para o IC3, o stress era bastante porque tínhamos de estar bastante atentos ao trânsito, que apesar da hora já era bastante.
Já há bastante tempo que sabíamos onde seria a primeira paragem da viagem...um café no Rabaçal, onde nos serviram as sandes com bifes de presunto o ano passado, ao fazermos o Camiño de Santiago.
Depois dos pedidos feitos...
 
 era altura de descansar e aproveitar o sol:
 Com as baterias carregadas, quer dizer, com o estômago composto, recomeçámos a pedalar. O caminho para Fátima, conforme descobrimos o ano passado, era excelente. Tanto para quem vai de carro como para quem vai de bicicleta. Aliás, melhor para quem vai de bicicleta porque tem uma paisagem excelente, a estrada/piso é óptimo e o trânsito é muito menor que pela EN1. Talvez por isso nos tenhamos cruzado com muito pessoal de bicla e peregrinos a pé, a caminho de Fátima.
Fomos ultrapassando uma dificuldade depois de outra e chegámos finalmente à última e grande subida para Fátima:
 Fátima!
 "Ah...vamos mas é reservar uma mesa para almoçar antes de ir até ao Santuário!".
 
 Os Anadiabikers em Fátima, 2013.
 (Obrigado à fotógrafa...foi muito simpática!)
Como a mesa e o almoço já estavam reservados, rapidamente estacionámos as biclas...
 
e nos instalámos:
 Lembram-se d'"A Subida"? Bom, agora era a descer...digam o que disserem, a melhor parte de uma subida é a descida...
 E lembram-se da primeira paragem de manhã? Também lá parámos no regresso. E ainda bem! As sandes de presunto souberam a sandes de leitão!
As sandes deram energia suficiente para chegar a Coimbra em tempo record:
 O resto da viagem já nem tem muito que se lhe diga...é o caminho usual para casa...até chegar pouco antes de Santa Luzia vamos por secções comuns ao Camiño e daí para casa, é sempre na nacional...nada de especial.
O fim do percurso pode não ter sido especial mas toda a viagem em si, a companhia de amigos, a alegria e boa disposição, o Sol, a energia que sempre existe em Fátima, isso sim...é especial e é isso que temos de aproveitar da vida.
Até à próxima! Bons treinos e boas pedaladas!